Esquizofrenia e o Consumo de drogas: Relação!

Esquizofrenia e o Consumo de drogas 2 - Grupo Gilardi

A Esquizofrenia e o Consumo de drogas tem uma ligação muito alta. Veja como pessoas aumentam o risco da doença com uso de drogas!

Esquizofrenia é uma doença psiquiátrica que altera o funcionamento da mente, onde leva a distúrbios do pensamento e das emoções, mudanças no comportamento no qual os pacientes passam a interpretar a realidade de forma anormal, prejudicando assim o funcionamento diário do indivíduo.

A esquizofrenia é uma doença que infelizmente não tem cura, porém pode ser facilmente controlada com medicamentos orientado pela psiquiatra, mas junto com os medicamento também são recomendados outras terapias como: psicoterapia e terapia ocupacional.

Até 10% dos pacientes conseguem reparação total (claro que fazendo o uso das medicações), mais para 55% a doença se torna crônica. Os restantes 35% apresentam episódios intermitentes. E o mais preocupante é que 80% desses pacientes diagnosticado com esquizofrenia apresentam uma associação com o abuso de substancias como álcool, drogas ilícitas e líticas. Sendo assim, devemos estar ciente de que a esquizofrenia é uma doença que exige tratamento ao longo da vida.

Para confirmar a esquizofrenia, o especialista irá os sinais e sintomas que a pessoa apresenta e se necessário solicitará exames para descartar outras doenças que podem provocar alguns sintomas da esquizofrenia, como por exemplo, o tumor cerebral ou a demência.

Principais Sintomas

– Delírios, conhecida também como sintomas positivos, é quando a pessoa acredita cegamente em algo que não é real, como se estivesse sendo perseguida, traída ou em alguns casos a pessoa acredita ter superpoderes.

– Sintomas Negativos, é quando a pessoa perde a resposta afetiva, da expressão verbal, da motivação pessoal, da atenção ao ambiente, da interação social, entre outros.

– Alucinações, são percepções vividas de coisas que não existem, como ouvir vozes e ter visões.

– Pensamentos desorganizados, quando a pessoa fala coisas sem sentido algum, o famoso “não fala nada com nada”. 

– Anormalidades na forma de se movimentar, paciente perde a coordenação, e apresenta movimentos repetitivos, fica com o olhar fixo, costuma fazer caretas, entre outros.

– Alterações do comportamento, podendo ficar agressivo, agitado e possui um grande risco de suicídio.

– Falta de atenção e concentração, a pessoa não consegui ficar muito tempo concentrado em alguma atividade especifica, e muita das deves não presta a atenção no que precisa ser feito, coisas que antes o mesmo fazia sem nenhuma dificuldade.

Esquizofrenia dividida em 5 subgrupos

De acordo com esses conjuntos de sintomas, a esquizofrenia é dividida em 5 subtipos, esses são:

Paranoide – São pessoas que apresentam alucinações e delírios, não tem o seus pensamentos lógicos alterados, nem sua afetividade ou o comportamento. Essas pessoas costumam manter uma vida aparentemente “normal”. Porém, como são os que mais percebem a doença, este é o subgrupo com a maior taxa de suicídio.

Desorganizado – São as pessoas que possuem os pensamentos desorganizados com comportamentos bizarros e inapropriados. É o grupo com maior taxa de incapacidade funcional, perda de relacionamento e necessidade de reparar os prejuízo causados a si mesmo.

Catatônico – É quando o paciente possui posturas estranhas, perdem a interação com o ambiente e resistem as tentativas de movê-los. Mais isso acontece episodicamente.

Residual – São os pacientes que apresentam a ausência de alucinações e dos delírios, mas de modo discreto apresentam outros sintomas como alterações nos pensamentos e afetividade.

Indiferenciado – São aqueles paciente que não possuem apenas um subgrupo mas sim um pouco de cada grupo acima citado.

Esquizofrenia e o consumo de drogas

Esquizofrenia e o Consumo de drogas 3 - Grupo Gilardi
Esquizofrenia e o Consumo de drogas

Substancias Tóxicas

A esquizofrenia está cada vez mais relacionado ao cosnumo de drogas. Essa associação piora e muito o prognóstico da doença, aumentando o número e a gravidade das crises, aumentando o tempo de internação, as taxas de recaídas, infecções, violência e suicídio. O consumo de drogas aumenta em seis vezes o risco de desenvolver a doença. No Hospital Universitário de Copenhague, na Dinamarca, foi realizado um estudo onde foi relatado que a maconha é uma das maiores inimigas da esquizofrenia. Segundo estudos está droga desencadeia a doença em pessoas já predispostas. As maiores evidencias foram confirmadas em adolescentes. Mas sabemos também que não só a maconha provoca isso, mais o álcool, cocaína, ecstasy entre outras causam podem desencadear está doença.

As drogas por si só já causa grandes problemas graves de relacionamento e até risco de morte, agora imagine só quando essa pessoa acaba adquirindo a esquizofrenia decorrente ao uso. No caso de transtorno mentais, o uso dessas substancias pode aumentar gradativamente as chances de desenvolvimento precoce. A esquizofrenia junto as drogas, quando relacionados, preocupam os profissionais de saúde e os familiares dessa pessoa.

A solução para este problema é combater o consumo de drogas, com um tratamento prescrito por um médico especialista onde o mesmo irá tratar junto a esquizofrenia, podem prescrever medicações e em conjunto a terapia.

Esquizofrenia e o consumo de drogas: Tratamento

O tratamento da esquizofrenia é orientado pelo psiquiatra, com medicamentos antipsicóticos, que ajudam a controlar principalmente os sintomas como alucinações, delírios e alteração no comportamento.

Esquizofrenia e o Consumo de drogas 4 - Grupo Gilardi
Esquizofrenia e o Consumo de drogas – Grupo Gilardi

Outros medicamentos do tipo ansiolíticos, ou estabilizadores de humor, podem ser usado para aliviar os sintomas em caso de agitação e ansiedade, além de antidepressivos também podem ser prescritos para uma possível depressão, fazendo assim um tratamento para depressão melhorando ainda mais o quadro.  

Além disso, é necessária a realização de psicoterapia e terapia ocupacional, para contribuir para uma melhor reabilitação e reintegração do paciente ao convívio social. A orientação a família e o acompanhamento por equipes de apoio social e comunitárias também são medidas importantes para melhorar a eficácia do tratamento.

O tratamento é para a vida toda. Doentes muito agitados onde a família não consegui mais ter o controle da situação, onde individuo coloca em risco sua própria vida e de seus familiares, devem ser internados até a estabilização dos sintomas, podendo ser até mesmo por internação involuntária, em uma Clínica de Recuperação especializada no tratamento para drogas, para que o mesmo possa fazer o seu tratamento corretamente para o uso de drogas e para a esquizofrenia, podendo assim ser acompanhado por uma equipe multidisciplinar, para que possa melhorar o seu convívio em sociedade e garantir que seu corpo trabalhe de forma mais adequada possível e assim podendo lidar com as questões simples do dia-a-dia.

O Grupo Gilardi possui uma rede de Clínica de Recuperação que oferece recurso necessários para o paciente superar as crises de abstinência e o que for decorrente disso, pois estará sendo assistido 24 horas por especialistas.

Fale com nossa equipe de plantão

Especialistas

Fonte Oficial – Site: https://grupogilardi.com/blog/

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *